(41) 3242.4089 contato@labadeetour.com.br

Câmbio e viagens corporativas – o que eu preciso saber?

Viagens corporativas demandam muitos preparativos, por isso o planejamento é tão importante. Além da estratégia da empresa e dos detalhes do deslocamento do colaborador, é preciso considerar o “budget” de viagens. Mas se estamos tratando de uma viagem internacional, há mais alguns itens a serem considerados: como o câmbio e suas variáveis.

Afinal, como funciona o câmbio? O que é taxa de câmbio, regime cambial, cotação e variação? Vale a pena viajar com reais ou devo trocar antes? Confira essas e outras informações importantes neste post!

Câmbio e taxas de câmbio

O câmbio envolve compra, venda e troca de moedas em outros países. Enquanto a taxa de câmbio é o valor da moeda estrangeira em ralação à nacional. De forma sucinta, no câmbio o dinheiro é uma mercadoria com valores diferentes para quem vende e quem compra – taxa de câmbio.

O valor de compra da moeda estrangeira é determinado pela instituição que realiza a operação – autorizada pelo Banco Central. O valor é baseado na taxa de câmbio vigente e nas taxas cobradas, pela própria instituição, para comercializar a moeda em questão. O mesmo acontece se você quiser vender uma moeda estrangeira, o agente determinará o valor a ser pago.

Além da relação entre as moedas, a taxa de câmbio também informa sobre transações comerciais e relações de troca entre nações. Existem três tipos de regime cambial – forma como a taxa de câmbio é determinada.

Tipos de regime cambial

Câmbio fixo – quando o valor da moeda estrangeira é determinado pela autoridade nacional. Nesse caso, o Banco Central garante a conversão pelo preço definido. Para manter essa taxa, o governo compra e vende no mercado de câmbio a preço fixo. Esse regime é usado para estabilizar o valor de uma moeda, uma vez que elimina o risco cambial e evita a alta da inflação.

Câmbio flutuante – não há interferência do governo no mercado cambial e as taxas variam conforme oferta e demanda do mercado. Mesmo assim, o Banco Central costuma reagir para evitar variações bruscas – a chamada “flutuação suja”. Esse tipo de regime é vantajoso para países com economia estável.

Câmbio atrelado – também conhecido como “banda cambial”, é uma junção entre o câmbio fixo e flutuante. Há uma variação diária da taxa de câmbio conforme limites determinados pelo governo. Nesse regime, o Banco Central atua com a intenção de manter o preço da moeda de acordo com os limites mínimo e máximo.

Cálculo da taxa de câmbio

A moeda norte-americana é usada como padrão de referência para o cálculo da taxa de câmbio. Você provavelmente já ouviu os termos dólar comercial e dólar turismo, sendo o segundo o mais comum. O dólar turismo é aquele anunciado em jornais, sendo utilizado no planejamento de viagens.

Já o dólar comercial está ligado diretamente às ações de importação e exportação. Ele geralmente é mais barato do que o dólar turismo, uma vez que a movimentação financeira é muito maior para mercadorias. Por isso, a cotação comercial do dólar costuma ser mais em conta.

Muitos fatores influenciam na hora de determinar a taxa de câmbio, principalmente, questões políticas e econômicas. Para saber a taxa de câmbio do dia, basta pesquisar quantos reais você precisa para comprar um dólar. Mas é preciso estar atento: a taxa de câmbio pode variar em um intervalo curto de tempo. É necessário ficar de olho nas cotações e nas notícias gerais sobre política e economia.

Cotação e câmbio

Termos usuais no mercado financeiro, cotação e câmbio são comumente confundidos. Cotação é o preço de determinado ativo em um momento específico, sendo definida pela oferta e procura. Isto é, quando há muita procura o preço sobe, quando a oferta é maior o preço cai. Câmbio refere-se apenas às operações de compra, venda e troca de moedas entre diferentes países.

Variações de câmbio

Como já explicamos, o valor do câmbio não é permanente e variações são comuns. O ideal seria criar o hábito, assim como pesquisar passagens e hotéis, para verificar diariamente a taxa de câmbio durante os meses que antecedem uma viagem corporativa.

Ver os preços todos os dias e analisar as altas e quedas pode ajudar a escolher o momento certo de fazer o câmbio. O Banco Central tem um ranking com a média de valores praticados por bancos e casas de câmbio por uma moeda estrangeira. O Valor Efetivo Total (VET) engloba o valor da taxa de câmbio, as tarifas e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Você pode usar a lista como referência de locais que costumam fazer o câmbio mais barato.

Uma dica: evite realizar o câmbio em locais turísticos, como shoppings e aeroportos, os valores geralmente são mais caros.

Moedas desvalorizadas no Brasil

Moedas como peso uruguaio, argentino, mexicano e chileno são fracas no Brasil. Além disso, moedas de países como Japão, Tailândia, África do Sul, Noruega, Dinamarca e Coreia do Sul são difíceis de encontrar. Comprar essas moedas em solo nacional pode representar um mau negócio, pois têm cotação desvantajosa.

O ideal é comprar a moeda em lugares em que seja mais valorizada. Por exemplo, comprar peso uruguaio no Chui (RS), ou peso argentino em Foz do Iguaçu (PR). Embora represente duas taxações, uma boa saída é comprar dólar norte-americano e trocar pela moeda local no país.

Onde o real não é valorizado

É simples, em destinos onde o real não é valorizado é melhor levar dólar ou outra moeda forte no local. Levar reais para os Estados Unidos, Europa, México e tantos outros destinos é sinônimo de perda. Você até conseguirá trocar a moeda, mas não numa boa cotação.

Apenas destinos como Buenos Aires (Argentina), Montevidéu, Colonia del Sacramento e Punta del Leste (Uruguai), Santiago e Valparíso (Chile) têm uma cotação vantajosa em reais.

Cartão de crédito

Usar cartão de crédito no exterior é muito simples, basta que o seu cartão seja internacional. Geralmente, as operadoras de cartões solicitam o desbloqueio da função internacional para viagens. Para isso, o viajante deve informar ao banco ou operadora o período de viagem e país de destino.

No entanto, o uso do cartão pode sair caro.  Além de ficar atento ao câmbio no período de fechamento da fatura, há a tributação de IOF sobre os pagamentos realizados com cartão. Atualmente, o IOF equivale a 6,38% sobre a compra.

 

Agora que você já sabe como funciona o câmbio, que tal obter uma consultoria completa sobre viagens corporativas? Os consultores da Labadee são especialistas em encontrar as melhores soluções para deslocamentos corporativos!

Contate a Labadee para uma consultoria especializada em viagens corporativas. 

Deixe seu comentário